terça-feira, 23 de janeiro de 2018

Oscar 2018 - Melhor Filme

Eu sou do tempo em que apenas cinco filmes eram indicados ao Oscar. Era simplesmente perfeito assim. Hoje em dia temos nove produções concorrendo, o que sempre achei exagerado e excessivo. Provavelmente o número de indicados ao principal prêmio da noite só aumentou por questões financeiras. Os estúdios querem ter maior possibilidade de lançar uma produção com a marca de indicado ao Oscar de melhor filme do ano no cartaz. Isso vende ingresso. Fora isso, nada justifica.

Esse ano temos nove filmes no páreo. Vou começar a comentar pelos que já vi. "Dunkirk", a produção sobre II Guerra Mundial do Nolan, é certamente um dos melhores filmes do ano e merece a indicação. O roteiro explora a retirada das tropas inglesas do porto de Dunquerque, naquele evento que foi considerado por muitos como o maior revés dos aliados na guerra. Na ocasião os próprios civis, donos de barcos, foram ajudar os soldados a saírem daquela praia que havia se tornado uma armadilha mortal. Com ótima reconstituição de época, produção classe A, segue sendo o meu preferido ao Oscar. Outro filme que se passa no mesmo período histórico é "O Destino de uma Nação", mais uma produção recente que resgata a figura do Primeiro Ministro inglês Winston Churchill durante a guerra. Vi recentemente outro sobre o mesmo tema, mas esse promete ser realmente o melhor.

"Ladybird: A hora de voar" também em agradou bastante. A história singela e muitas vezes nostálgica de uma garota comum, de família pobre, que vai estudar em uma cara escola católica numa pequena cidade da Califórnia. O filme ganha o espectador pela simpatia e pelos bons momentos, inclusive causando uma sensação de identidade em quem já passou por essa fase da vida. Muito bom, se vencer ficaria contente. "A Forma da Água" de Del Toro também aposta na nostalgia, só que revivendo em tom de fábula os tempos dos filmes de monstros, misturando tudo com uma protagonista melancólica e solitária que acaba se apaixonando por ele. Achei interessante, mas não é filme para vencer nessa categoria. A lembrança já foi um prêmio e tanto se formos pensar bem.

"Corra!" é super valorizado pela crítica, mas não acredito que tenha chances. É aquele tipo de produção que cai nas graças da crítica e a Academia embarca na onda. Ainda vou escrever sobre esse filme aqui no blog. "The Post" é uma tentativa de levantar a bola da grande imprensa nesses tempos de "fake news". Obviamente é o preferido dos jornalistas, mas de modo em geral a ideia soa cansativa e cheia de ideologia por trás, a sustentando. "Trama Fantasma" é o azarão da noite. Outro filme passado nos anos 50, que tem como grande trunfo a atuação do ator Daniel Day-Lewis. Ele interpreta esse refinado estilista que veste a realeza britânica. Não penso que tenha maiores chances de vencer. Outro que também dificilmente vencerá o prêmio é o 'estrangeiro' "Me Chame Pelo seu Nome". Os produtores informam que é um filme produzido por Itália, França, Estados Unidos e... Brasil! Isso mesmo, esse filme é um pouco verde e amarelo! Por fim temos "Três Anúncios para um Crime" que para muitos é o favorito da noite! Será mesmo? Só saberemos na noite da grande premiação.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 22 de janeiro de 2018

A Forma da Água

Título no Brasil: A Forma da Água
Título Original: The Shape of Water
Ano de Produção: 2017
País: Estados Unidos
Estúdio: Fox Searchlight Pictures
Direção: Guillermo del Toro
Roteiro: Guillermo del Toro, Vanessa Taylor
Elenco: Sally Hawkins, Octavia Spencer, Michael Shannon, Richard Jenkins, Doug Jones, Stewart Arnott

Sinopse:
Elisa Esposito (Sally Hawkins) é uma mulher solitária que trabalha como faxineira numa instalação de segurança máxima do governo americano. Durante mais um dia de trabalho, ela descobre que em uma das salas do lugar existe uma criatura estranha, vivendo acorrentada e sendo estudada por cientistas. Em pouco tempo ela se aproxima dela e forma um estranho vínculo emocional com o esquisito ser. Filme premiado pelo Globo de Ouro nas categorias de Melhor Direção (Guillermo del Toro) e Melhor Trilha Sonora Incidental (Alexandre Desplat). Também indicado nas categorias de Melhor Filme - Drama e Melhor Roteiro Original.

Comentários:
Guillermo del Toro provavelmente nunca fez um filme convencional em sua carreira. Agora é que não seria exceção. Procurando se inspirar nos antigos filmes de ficção e fantasia dos anos 50, ele aqui recriou todo aquele clima de filme antigo para contar sua inusitada história. O enredo é quase uma fábula, um conto nostálgico, com uma certa inocência que não existe mais. Por isso o diretor ambientou toda a sua trama nos anos 60. Existe essa mulher, solteira e solitária, que acaba descobrindo que onde trabalha existe uma espécie de monstro capturado pelo governo americano nas selvas da América do Sul. Considerado um tipo de deus onde ele vivia, agora todos procuram estudá-lo, já que é uma espécie biológica completamente desconhecida da ciência. Um tipo de "monstro do pântano", um Amphibian Man, que acaba interagindo com a bondosa e inocente faxineira. Dessa aproximação surge a ideia de libertá-lo, uma ideia que conta inclusive com a simpatia de um dos cientistas, na verdade um espião russo infiltrado dentro daquela agência do governo dos EUA. Outro personagem muito bom é o vilão. Richard Strickland (Michael Shannon) é o responsável pela segurança do lugar. Quando ele descobre que há um plano para soltar a criatura aquática, ele imediatamente passa a usar de seus métodos violentos para inibir qualquer coisa nesse sentido. Penso que não é um filme para todos os públicos. Há uma nostalgia cinematográfica envolvida que ajuda muito o resultado final como um todo, porém há também deslizes. Guillermo del Toro ultrapassa várias vezes a linha do bom senso, inclusive criando um romance bizarro entre o monstro e a mulher solitária. Não era preciso seguir por esse lado. Uma amizade sincera entre eles já estava de bom tamanho. De qualquer forma por ser tão incomum e sui generis, essa produção ainda vale pelo menos uma sessão de cinema. Afinal não é todo dia que você encontrará um filme parecido com esse, já que não estamos mais nos distantes anos 1950. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sábado, 20 de janeiro de 2018

A Cartada Final

Título no Brasil: A Cartada Final
Título Original: The Score
Ano de Produção: 2001
País: Estados Unidos
Estúdio: Paramount Pictures
Direção: Frank Oz
Roteiro: Daniel E. Taylor, Kario Salem
Elenco: Robert De Niro, Edward Norton, Marlon Brando, Angela Bassett, Gary Farmer, Paul Soles

Sinopse:
Nick Wells (Robert De Niro) é um ladrão profissional que sempre procurou trabalhar sozinho. Para ele não existe sociedade no mundo do crime. Só que um novo "serviço" surge no horizonte e ele agora precisa unir forças a outro criminoso, Jack Teller (Edward Norton), algo que mudará completamente seus planos iniciais.

Comentários:
Como é possível que um filme com um elenco tão maravilhoso como esse (Brando, De Niro e Norton) não conseguiu se tornar um clássico moderno do cinema? Na verdade é pior do que isso, passados 17 anos de seu lançamento original a produção está praticamente esquecida. A produção foi turbulenta. Marlon Brando brigou com o diretor Frank Oz, o despedindo em pleno set de filmagens. A Paramount não aceitou a atitude do ator e manteve Oz como diretor, só que Brando se recusou a trabalhar com ele. A solução foi colocar Robert De Niro dirigindo as cenas com Marlon Brando, deixando Oz na direção do restante do filme. Um absurdo e um caos completo. O resultado final ficou confuso, como era de se esperar. Brando, visivelmente entediado e atuando com má vontade, não acrescentou muito. Coube então a Robert De Niro e Edward Norton tentarem salvar o filme no quesito atuação, mas tudo acabou ficando na média mesmo, em um plano convencional. É uma pena que "The Score" no final de tudo não conseguiu cumprir tudo o que se esperava dele.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

sexta-feira, 19 de janeiro de 2018

Paul McCartney - CHOBA B CCCP - Parte 1

CHOBA B CCCP foi o álbum que Paul McCartney gravou especialmente para o povo russo em 1987. Ele ficou sabendo que os fãs russos compravam cópias contrabandeadas dos discos dos Beatles na época da guerra fria e decidiu que iria gravar algo especial para seus fãs que viviam atrás da cortina de ferro. O regime comunista soviético proibiu a venda dos discos dos Beatles durante os anos 60, por entender que o material era propaganda decadente do capitalismo ocidental. Uma típica visão radical e idiota, própria dos comunistas em geral.

O LP foi gravado meados de 1987, com vários covers e novas versões de Paul para clássicos do rock, principalmente da primeira geração do rock ´n´ roll americano. É interessante notar que esse tipo de disco iria até se tornar bem comum depois dentro da discografia de Paul (basta lembrar de "Run Devil Run"), mas que naquele momento era algo inédito em sua carreira. O curioso é que Paul quis desde o começo que o disco fosse vendido apenas na Rússia (na época chamada de União Soviética). A Perestroika e a Glasnost já estavam na ordem do dia e com a abertura do regime linha dura comunista Paul conseguiu, pela primeira vez em sua vida, lançar um disco oficial em solo russo!

Como a EMI Odeon não tinha autorização de abrir filiais e vender seus produtos na URSS, Paul precisou vender os direitos autorais para uma gravadora russa pequena chamada Melodiya. No começo foram prensadas apenas 10 mil cópias que imediatamente começaram a chegar ao ocidente, através da Alemanha. Era uma grande ironia do destino. Na época dos Beatles os fãs russos compravam cópias no mercado negro para ouvir. Agora eram os russos que vendiam os discos de Paul para os ocidentais, atraídos principalmente pelo alto valor de cada cópia, uma vez que o disco não havia sido lançado na Europa ocidental. De qualquer forma "CHOBA B CCCP" acabou se tornando mais uma preciosidade na discografia de Paul McCartney, algo que iremos falar em detalhes nos próximos textos. Até lá!

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 17 de janeiro de 2018

A Guerra

A cada dia, quatro veteranos de guerra dos Estados Unidos resolvem acabar com a própria vida. Muitos deles usam suas armas, apontam para a cabeça e puxam o gatilho. 200 mil ex-combatentes não possuem uma casa para morar. Muitos deles são homeless, sem tetos, vivendo pelas ruas, em busca da sobrevivência. Grande parte desses ex-militares desenvolvem alguma doença mental ou trauma de guerra. É um quadro devastador. Todas essas informações são passadas ao espectador justamente quando esse filme acaba.

O protagonista da história desse drama de guerra é um cabo do exército americano, Gabriel Drummer (Shia LaBeouf). Como muitos jovens americanos ele resolve se alistar para o serviço militar após concluir o ensino médio. Sem dinheiro para cursar uma universidade (todas são pagas naquele país) ele não vê outra alternativa. Acaba levando também seu melhor amigo, um sujeito que conhece desde a infância, para as fileiras do exército.

Assim o roteiro vai mostrando sua história em três linhas narrativas. Uma no passado, outra no presente e uma terceira que seria o seu futuro. Preste bastante atenção nessa última. Gabriel parece viver em um mundo pós-apocalíptico, uma realidade estranha, onde os Estados Unidos parecem ter sido devastados por um ataque nuclear. Realidade ou fruto de sua mente perturbada? Esse aliás é o grande "pulo do gato" desse roteiro. O que parece ser uma história convencional sobre a vida de um militar americano no Afeganistão acaba escondendo surpresas em sua narrativa. A reviravolta que ocorre nos 20 minutos finais do filme é o seu grande trunfo. Muitos espectadores vão ficar mais do que surpresos. No balanço geral é um bom filme, com um belo roteiro. No fundo é algo bem triste, mas igualmente bem real, explorando o triste destino que aguarda muitos desses veteranos em um futuro próximo.

A Guerra (Man Down, Estados Unidos, 2015) Direção: Dito Montiel / Roteiro: Adam G. Simon / Elenco: Shia LaBeouf, Jai Courtney, Gary Oldman / Sinopse: A vida de um soldado americano no Afeganistão contada em três linhas narrativas diferentes, explorando seu passado, presente e o futuro sombrio, onde tudo parece ter se perdido definitivamente, incluindo sua esposa e filho.

Pablo Aluísio. 

terça-feira, 16 de janeiro de 2018

Os Segredos da Bíblia

Título no Brasil: Os Segredos da Bíblia
Título Original: Bible's Buried Secrets
Ano de Produção: 2011
País: Inglaterra
Estúdio: BBC Studios
Direção: Rob Cowling, Emily Davis
Roteiro: Jean-Claude Bragard, Rob Cowling
Elenco:  Francesca Stavrakopoulou, Aren Meir, Israel Finkelstein, Yosef Garfinkel, Doron Spielman, Baruch Halpern

Sinopse:
Documentário contando com especialistas em arqueologia bíblica que tentam provar com relíquias e rastros deixados pelo passado, a veracidade ou não das histórias que são contadas no velho testamento.

Comentários:
Essa série de documentários na verdade contou com três episódios apenas: "Did King David's Empire Exist?" (O Império do Rei Davi existiu?), "Did God Have a Wife?" ("Deus teve uma esposa?") e finalmente "The Real Garden of Eden" ("O verdadeiro Jardim do Éden"). O interessante é que pouco se comprovou das histórias contadas no velho testamento. Isso é até relativamente fácil de explicar. Além do fator temporal (O Rei Davi, por exemplo, teria vivido mil anos antes de Cristo), o território de Israel foi palco de inúmeras invasões de povos inimigos ao longo de toda a sua história, destruindo sítios arqueológicos e monumentos que poderiam servir para a arqueologia atual como prova das antigas histórias. A série mostra, por exemplo, como é complicado nos dias de hoje provar a existência histórica de Moisés. Muitos historiadores da Israel atual supõem que o número de judeus que fugiram do Egito foi bem menor do que o relatado no livro do Exodus. Eles provavelmente também não ficaram por 40 anos andando nas areias escaldantes do deserto como algumas traduções das escrituras querem fazer crer. Assim fica a curiosidade de saber o que a arqueologia moderna tem a dizer sobre as origens do povo hebreu. Cheio de informações e teses propostas por esses estudiosos, os três episódios formam um mosaico bem curioso do mundo antigo, dos tempos de Salomão e Abraão.

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Brain on Fire

Título Original: Brain on Fire
Título no Brasil: Ainda Não Definido
Ano de Produção: 2016
País: Canadá, Irlanda
Estúdio: Foundation Features
Direção: Gerard Barrett
Roteiro: Gerard Barrett
Elenco: Chloë Grace Moretz, Thomas Mann, Richard Armitage, Carrie-Anne Moss, Jenny Slate, Tyler Perry

Sinopse:
Baseado em fatos reais, com roteiro escrito a partir do livro de memórias de Susannah Cahalan, o filme mostra o sério problema de saúde que enfrentou logo no começo de sua vida profissional como jornalista, quando se viu incapacitada por uma enfermidade, uma doença rara, pouco conhecida pelos médicos.

Comentários:
Gostei desse filme. O enredo é dramático, triste e não recomendado para quem não gosta desse tipo de roteiro. Basicamente temos essa jovem jornalista que acaba conseguindo um emprego dos sonhos em um famoso e popular jornal de Nova Iorque. Tudo vai caminhando bem, ela vai subindo na carreira, até que começa a apresentar um estranho comportamento. No começo todos desconfiam que ela está usando drogas ou algo do tipo, mas na verdade ela começa a apresentar os sintomas de uma doença mental que intriga os médicos. Eles não conseguem chegar em um diagnóstico seguro. Para alguns ela estaria sofrendo de uma bipolaridade extrema, para outros estaria na realidade esquizofrênica. Enquanto a garota sofre, seus pais e seu namorado pressionam os médicos para chegarem numa conclusão, que parece nunca vir. Sua salvação vem na figura do professor de medicina de uma prestigiada universidade que descobre que ela na verdade está sofrendo de uma síndrome auto imune praticamente desconhecida da ciência. Chloë Grace Moretz interpreta a protagonista que passa praticamente todo o filme hospitalizada, algumas vezes catatônica. Sua interpretação é OK, mas não chega a ser brilhante. Tampouco compromete o resultado final de um filme até muito interessante, que chama a atenção para uma nova doença mental que cada vez mais tem se espalhado pela população em geral. Vale a pena conferir, principalmente se você for um profissional da área de saúde. 

Pablo Aluísio e Júlio Abreu.

domingo, 14 de janeiro de 2018

The Beatles - Let It Be - Parte 3

Uma das coisas que mais irritaram Paul McCartney quando finalmente ouviu o disco oficial "Let It Be" foi a forma como o produtor Phil Spector tratou sua criação "The Long and Winding Road". Para Paul os arranjos ficaram ruins, exagerados, bem de acordo com a "parede de som" que era característica de Spector. Definitivamente McCartney não queria aquele tipo de sonoridade para sua música, porém quando Paul finalmente a ouviu já era tarde demais. Os discos estavam prensados e nas lojas. Não tinha mais volta, era segurar a raiva e seguir em frente. Ele ainda iria reclamar disso em inúmeras entrevistas ao longo dos anos, mas definitivamente já era tarde demais.

"The Long and Winding Road" foi composta por Paul após o fim de seu longo relacionamento com a atriz Jane Asher. Ela foi a namorada de Paul durante praticamente toda a sua carreira ao lado dos Beatles. Todas as grandes composições dele nessa época foram criadas em cima de seu romance com Jane. Quando o namoro acabou Paul ficou bem arrasado e criou essa bela balada romântica, um adeus final aos anos que passou ao lado de Jane. Curiosamente Jane também foi responsável por ter jogado fora muitas músicas compostas por Paul e John durante a fase dos Beatles. Durante uma faxina ela resolveu jogar no lixo um monte de papéis. Eram letras de música de John e Paul - imaginem o tamanho do prejuízo histórico que isso causou! Mesmo assim, Paul realmente a amava e achava que um dia iria se casar com ela. Aliás todos os demais Beatles pensavam que eles iriam se casar algum dia. Infelizmente isso nunca aconteceu.

Por falar em criações da dupla Lennon e McCartney, o blues "I've Got a Feeling" foi uma das últimas parcerias deles. Uma canção feita face a face, com ambos trabalhando e dando sugestões dentro do estúdio. Paul trouxe o esboço inicial e John começou a acrescentar notas, versos, instrumentos e arranjos. Acabou sendo uma das melhores faixas do disco. O curioso é que John e Paul quiseram imprimir na canção um certo tom de relaxamento, quase como se fosse uma jam session dentro dos estúdios. Só que tudo isso era obviamente bem trabalhado pela dupla.

John Lennon resolveu inserir uma indireta para sua primeira esposa, Cynthia, nos versos da canção, quando canta "Oh, por favor acredite em mim, eu odiaria perder o trem / E se você me deixar por causa disso, eu não me atrasarei". Acontece que ela havia perdido o trem quando os Beatles foram para a Índia. Isso irritou profundamente John. Assim o Beatle passou meses longe dela, o que segundo ele próprio serviu para criar um fosso emocional entre o casal. Depois disso Yoko entrou na vida de John e o casamento deles acabou de vez. Já Paul resolveu escrever algumas linhas mais românticas para a música. É dele a seguinte estrofe: "Todos esses anos eu tenho andado por aí / Intrigado como é que ninguém veio me dizer / Que toda a minha procura se resumia a alguém / Que se parecesse contigo". Palavras escritas para Linda, o novo amor na vida de Paul. Afinal Jane Asher naquele momento já era passado.

Pablo Aluísio.

sábado, 13 de janeiro de 2018

Apenas um Garoto em Nova York

O filme se passa no meio editorial de Nova Iorque, mas no fundo é focado na família do jovem Thomas Webb (Callum Turner). Ele está naquela idade em que ainda não decidiu o que fazer. Ele terminou o colegial e não foi para a faculdade. Por isso passa os dias andando com a namorada Mimi pelas ruas da cidade. Durante uma noite de curtição em um restaurante ele pega seu próprio pai, Ethan Webb (Pierce Brosnan), aos beijos com uma desconhecida. Uma situação constrangedora e complicada de resolver, afinal ele deveria dizer para sua mãe da traição dele? Ou deveria varrer tudo para debaixo do tapete, evitando assim que seus pais se divorciassem?

De uma forma ou outra, Ethan começa a seguir os passos da amante do pai, Johanna (Kate Beckinsale). Descobre que ela trabalha no mercado de livros e pior do que tudo, acaba se apaixonando também por ela! Por fim fechando o círculo confuso de relacionamentos de sua vida pessoal, Ethan acaba conhecendo um escritor decadente e bêbado que mora no seu prédio, o outsider W.F. Gerald (Jeff Bridges). Autor de sucesso no passado, ele vive uma crise de criatividade, sempre procurando inspiração para sua próxima obra. Acaba encontrando na vida de Ethan o que procurava e traz a história do jovem para as páginas daquele que será seu futuro livro.

Embora tenha nuances de drama, esse filme não vai muito por esse caminho. Mesmo as situações mais dramáticas (como se apaixonar pela amante do pai) vai tendo resoluções mais ou menos brandas. O roteiro também sutilmente propõe que a cidade de Nova Iorque perdeu sua identidade nos últimos anos, deixando de ser a cidade artisticamente inspiradora do passado para se tornar apenas uma grande cidade, amorfa e sem graça. O triângulo amoroso envolvendo amante, pai e filho, curiosamente nem é a principal surpresa da trama, pois o personagem de Jeff Bridges revela ter algo a mais com Ethan do que ele jamais poderia imaginar. Em suma, um bom filme, que tenta ser sofisticado, retratando os moradores de Nova Iorque como pessoas mais intelectualizadas, mesmo sem escapar das armadilhas do destino que vão acontecendo com o passar dos anos.

Apenas um Garoto em Nova York (The Only Living Boy in New York, Estados Unidos, 2017) Direção: Marc Webb / Roteiro: Allan Loeb / Elenco: Pierce Brosnan, Jeff Bridges, Kate Beckinsale, Callum Turner, Cynthia Nixon, Kiersey Clemons / Sinopse: O jovem Thomas Webb (Callum Turner) descobre que seu pai, Ethan Webb (Pierce Brosnan), está tendo um caso amoroso fora do casamento com a bela e sensual Johanna (Kate Beckinsale). Enquanto não decide o que fazer, acaba conhecendo seu vizinho, um escritor decadente chamado W.F. Gerald (Jeff Bridges) que prontamente se coloca à sua disposição para resolver todos esses problemas em sua vida pessoal.

Pablo Aluísio.

sexta-feira, 12 de janeiro de 2018

Os Caçadores da Arca Perdida

Decidi rever "Os Caçadores da Arca Perdida". Esse foi um filme que assisti pela primeira vez em minha adolescência (talvez fim da infância, não me recordo bem), que fazia muitos anos que tinha visto pela última vez. É a tal coisa, em relação a determinados filmes criamos uma certa nostalgia emocional, muitas vezes por termos assistido em determinada época de nossas vidas. Agora revendo o filme já não me pareceu tão encantador e especial. Afinal já sou outra pessoa, vivendo outra fase da minha existência. Reflexões existenciais à parte, também devo dizer que o trabalho de Steven Spielberg e George Lucas continua intacto e não foi afetado pela passagem dos anos.

A intenção da dupla foi recriar o espírito dos antigos filmes de matinês dos anos 40 e 50. Acertaram em cheio. Indiana Jones em sua primeira aparição no cinema, não deixa a bola cair em nenhum momento. O enredo criado e escrito por George Lucas é pura aventura nostálgica. Jones (Ford) é um professor de arqueologia que está sempre pronto a ir atrás de grandes relíquias do passado. Após colocar as mãos em uma antiga divindade de ouro dos Maias e ser passado para trás pelos nazistas, ele volta para os Estados Unidos. Então é procurado para ir atrás daquela que talvez seja a maior relíquia arqueológica da história, a Arca da Aliança, a mesma onde Moisés depositou os dez mandamentos.

Acontece que os nazistas também estão tentando localizar o lendário objeto, já que Hitler e seus imediatos eram particularmente interessados em ocultismo. Acreditavam que a posse da Arca da Aliança lhes trariam a invencibilidade nos campos de batalha. Indiana Jones então parte para sua aventura, inicialmente indo até o Nepal onde encontra a filha de um velho arqueólogo que achou o cajado que iria determinar a localização exata da Arca no deserto do Egito (como ela foi parar lá? O roteiro explica, foi roubada por um Faraó que destruiu o Templo de Salomão).

A partir daí o filme não cessa um minuto. É uma cena de ação e aventura atrás da outra. Tem de tudo, cenas de perseguição, a luta de Indiana Jones e um brutamontes nazista na frente do avião (que você certamente vai lembrar por causa do sangue jorrando para todos os lados pela hélice do aparelho) e é claro a descida de Indiana Jones até o templo onde a Aliança foi guardada e escondida (que aliás é repleto de cobras, que Jones simplesmente tem pavor). No final Spielberg e Lucas decidiram (com acerto) ir para o lado sobrenatural da situação, mostrando a Arca da Aliança como realmente um objeto de grande poder. Assim que a Arca é aberta pelos nazistas forças poderosas e inexplicáveis consomem a todos ao redor. Uma cena memorável que inclusive não perdeu seu impacto em termos de efeitos especiais.

O saldo final foi muito positivo. Rever "Raiders of the Lost Ark" sempre será um prazer, pelo visto. Claro que o mesmo impacto que tive quando assisti pela primeira vez nunca mais se repetirá. Esse foi consumido pelas areias do tempo. Mesmo assim é impossível negar que o filme ainda continua muito divertido e sagaz.  Um símbolo da genialidade de Steven Spielberg, no auge de sua fase dourada e criativa, e George Lucas, que deixou o universo de "Star Wars" para criar outro universo igualmente saboroso e marcante na história do cinema.

Os Caçadores da Arca Perdida (Raiders of the Lost Ark, Estados Unidos, 1981) Direção: Steven Spielberg / Roteiro: Lawrence Kasdan, George Lucas / Elenco: Harrison Ford, Karen Allen, Paul Freeman / Sinopse: Após ser passado para trás na busca de um artefato nas selvas da América Central, o arqueólogo Indiana Jones (Harrison Ford) é contactado pelo governo americano para localizar a Arca da Aliança, que está sendo cobiçada pelos nazistas. Cabe a Jones achá-la antes que caia nas mãos de Hitler.

Pablo Aluísio.

quinta-feira, 11 de janeiro de 2018

Lady Bird

Esse filme acabou de ser premiado pelo Globo de Ouro nas categorias de Melhor Filme - Comédia ou Musical e Melhor Atriz (Saoirse Ronan). Ambas premiações mais do que justas. Aliás é bom salientar que Saoirse Ronan caminha a passos largos para se tornar a melhor atriz de sua geração. Ela começou muito jovem, ainda como a garotinha de olhos expressivos de "Desejo e Reparação" e depois de "Brooklyn" nada parece estar em seu caminho. Muito talentosa, ela aqui interpreta uma adolescente que insiste em ser chamada de "Lady Bird", embora seu nome real seja Christine.

Ela mora em uma pequena cidade da Califórnia chamada Sacramento. O lugar, em sua opinião, é muito sem graça. Por isso seu sonho e ir um dia embora para Nova Iorque. A família tem seus problemas. O pai está desempregado, o irmão mais velho, apesar de ser formado em uma ótima universidade, também não consegue um emprego, vivendo como caixa de supermercado. A mãe enfermeira segura a barra e faz de tudo para pagar uma boa escola católica para a filha, mas Lady Bird não parece muito interessada nos estudos. Ela está naquela fase da vida em que não sabe ainda o que quer, mas já sabe que uma das coisas que ela não deseja de jeito nenhum é ficar em Sacramento pelo resto de sua vida.

O nome "Lady Bird" aliás já diz muito. Ela quer ser livre, ir embora, como se fosse um passarinho. A oportunidade chega quando ela termina o High School. Sua chance de ir embora é ser aceita por alguma universidade, de preferência em Nova Iorque, a cidade de seus sonhos. O roteiro assim explora a vida dessa jovem comum, mostrando essa fase de transição em sua vida. Uma das melhores coisas dessa história é mostrar o dia a dia de uma estudante de escola católica. As amizades, verdadeiras e falsas, as primeiras decepções amorosas e a incerteza sobre o futuro. Tudo muito humano e bem conduzido. O filme é muito bacana por mostrar a vida de uma menina, quase mulher, que certamente vai causar identificação em muita gente. É um filme realmente muito bom, acima da média. Está mais do que recomendado para quem gosta de filmes que conseguem mostrar a beleza que existe na vida comum de cada um.

Lady Bird: É Hora de Voar (Lady Bird, Estados Unidos, 2017) Direção: Greta Gerwig / Roteiro:  Greta Gerwig / Elenco: Saoirse Ronan, Laurie Metcalf, Tracy Letts, Lucas Hedges / Sinopse: Christine 'Lady Bird' McPherson (Saoirse Ronan) é uma estudante de escola católica que está em seu último ano antes de ir para uma universidade. Uma época de muitas descobertas em sua vida, a primeira grande paixão, as amizades e a vida na pequena Sacramento. Seu sonho é um dia ir embora para Nova Iorque. Sua maior chance disso acontecer é ser aceita em uma das universidades da cidade.

Pablo Aluísio.

quarta-feira, 10 de janeiro de 2018

Billy Elliot

Esse filme foi baseado em fatos reais. É a singela história de um garoto cujo pai quer que ele se torne lutador de boxe. Por isso o matricula na academia do bairro. O menino é franzino, magro, não muito adequado para um esporte tão violento, que exige tanto do aspecto físico. Assim acaba acontecendo o óbvio: ele leva uma dúzia de surras no ringue. O pai, um mineiro, porém não quer saber, acha que ele vai ficar mais durão com esse tipo de lição. Só que o pior acontece (sob o ponto de vista do pai, claro) quando Billy começa a prestar atenção nas meninas que dançam ballet numa sala ao lado onde ele treina boxe. Ele fica encantando com a dança, com a beleza e a suavidade dos movimentos. Logo compra (escondido) um par de sapatilhas e começa a frequentar as aulas de ballet ao lado das meninas. Imagine quando o pai descobre toda a verdade...

O roteiro é bem humano e desnuda o preconceito, a visão estreita e a estupidez de certa pessoas (em especial do pai do garoto). O fato dele dançar ballet não o tornava obviamente um homossexual, longe disso. Porém como explicar isso a um turrão do interior? Pela bela mensagem que passa, focando na tolerância e no respeito pelas escolhas de cada pessoa, o filme acabou sendo indicado a três prêmios no Oscar, entre eles o de Melhor Roteiro, o que foi um grande feito para um filme como esse, de pequeno orçamento e produção modesta. Depois a história do Billy Elliot acabou sendo encenada de novo nos mais concorridos palcos de teatro de Nova Iorque e Londres, alcançado o mesmo (e merecido) sucesso.

Billy Elliot (Billy Elliot, Inglaterra, França, 2000) Direção: Stephen Daldry / Roteiro: Lee Hall / Elenco: Jamie Bell, Julie Walters, Jean Heywood / Sinopse: Um garoto sonha em aprender a dançar ballet, mas para isso vai ter que superar os preconceitos de seu pai, um mineiro das minas de carvão, que acha que isso é coisa de homossexual. Filme indicado ao Oscar nas categorias de Melhor Direção (Stephen Daldry), Melhor Atriz Coadjuvante (Julie Walters) e Melhor Roteiro Original (Lee Hall). Também indicado ao Globo de Ouro nas categorias de Melhor Filme - Drama e Melhor Atriz Coadjuvante (Julie Walters). Vencedor do BAFTA Awards nas categorias de Melhor Filme Britânico, Melhor Atriz Coadjuvante (Julie Walters) e Melhor Ator (Jamie Bell).

Pablo Aluísio.

terça-feira, 9 de janeiro de 2018

Ao Cair da Noite

Esse filme foi até muito bem recomendado por fãs de filmes de terror e suspense, por isso resolvi conferir. A história se passa em um mundo que foi devastado por uma estranha doença incurável. Aos primeiros sinais de sua presença não resta outra alternativa a não ser a morte. O filme começa justamente assim, com o neto matando e enterrando o próprio avô por esse estar infectado. Eles o levam para a floresta e lá incineram seu corpo. Tudo para evitar que o resto da família seja também contaminada. Passados alguns dias a casa onde vivem pai, esposa e filho, é invadida por um estranho. Ele consegue ser imobilizado e conta que estava em busca de água pois tem mulher e filho em um lugar próximo esperando  por ele.

No benefício da dúvida Paul (Joel Edgerton) resolve acreditar na história contada pelo estranho. Eles vão até a floresta e resgatam sua família, mas será que o novo hóspede estaria mesmo contando toda a verdade? Esse roteiro investe muito mais no suspense. Como todos vivem isolados, com medo da contaminação que praticamente exterminou a humanidade, há sempre um clima de medo, ansiedade e apreensão com o mundo lá fora. Não se trata de mais um filme sobre apocalipse zumbi como alguns disseram, nem de uma contaminação que transformou os seres humanos em vampiros, como afirmaram outros. O roteiro nunca esclarece tudo. O espectador apenas fica sabendo que há uma doença mortal, altamente contagiosa, fazendo com que a família fique isolada e reclusa numa velha casa no meio do bosque. No elenco o filme conta com a atriz Riley Keough, a neta de Elvis Presley, como a esposa do estranho. Ela tem duas ótimas cenas no filme, mostrando que é realmente uma boa atriz. Fora isso o que temos aqui é um bom suspense, que tem seus momentos, mas que também passa longe de ser a obra prima do terror que alguns andaram dizendo por aí.

Ao Cair da Noite (It Comes at Night, Estados Unidos, 2017) Direção: Edward Shults / Roteiro: Trey Edward Shults / Elenco: Joel Edgerton, Christopher Abbott, Riley Keough, Carmen Ejogo / Sinopse: Depois que um vírus mortal se espalha pelo mundo, uma família decide se isolar em uma casa no meio da floresta. Tudo muda quando um estranho chega por lá. Ele tenta invadir a casa e depois que é imobilizado diz que tem mulher e filho sem água no meio da floresta. A vinda dessa segunda família acaba mudando o destino de todos naquela casa isolada.

Pablo Aluísio.

segunda-feira, 8 de janeiro de 2018

O Rei do Show

Eu não costumo ler muito sobre um filme antes de assisti-lo. Justamente para não perder o fator surpresa que penso ser uma das coisas mais interessantes em relação a ver um filme pela primeira vez. Por isso tive uma surpresa e tanto ao descobrir que esse "The Greatest Showman" é na verdade um musical! Isso mesmo, embora conte sua história até de maneira quase convencional, o roteiro encaixou vários números musicais onde os personagens de repente saem cantando e dançando, nas mais diferentes situações. Claro que não no estilo dos antigos musicais da MGM, mas sim na linha de produções mais recentes como "La La Land". Muita gente não gosta desse gênero, mas no meu caso não vejo problema nenhum, pelo contrário, até aprecio.

Muito bem, entre uma canção e outra, o enredo vai contando a história real do empresário circense P.T. Barnum, um nome muito popular no século XIX. Claro, o roteiro trata com simpatia seu protagonista, o mostrando como um bom homem, que pela necessidade de dar a melhor vida possível para sua família resolveu investir em um circo de aberrações para ganhar dinheiro. Assim ele vendia ingressos para que o público visse o menor homem do mundo, o homem mais alto do mundo, a mulher barbada, o oriental tatuado, o incrível homem de três pernas e por aí vai. Embora tenha boas intenções nesse aspecto a verdade nua e crua era que P.T. Barnum não era o sujeito bonzinho e boa praça representado no filme. Na verdade ele era um picareta que ganhava dinheiro com a deficiência e os problemas dos outros. Um verdadeiro canalha.

O filme porém passa longe de retratá-lo assim. Nem sua frase mais famosa que dizia que nascia um idiota a cada segundo, foi lembrada (ou melhor dizendo, estrategicamente varrida para debaixo do tapete). O que sobra diante disso é um filme bem simpático, nada condizente com os fatos históricos reais, mas que consegue ao menos entreter com competência o público. Um aspecto interessante é a presença da cantora Jenny Lind. Ela de fato existiu e dizia-se na época que tinha a voz mais linda do mundo. Infelizmente registros gravados de sua voz não sobreviveram ao tempo (a tecnologia de gravação era muito rudimentar na época). De qualquer maneira a simples lembrança dela já valeu a pena, embora o roteiro tropece mais uma vez ao mostrar um tipo de sentimento entre os dois. Isso jamais aconteceu já que na história real Lind acusou Barnum de tê-la roubado, ficando com a maior parte do dinheiro de sua turnê pelos Estados Unidos (que rendeu quase cem apresentações em um ano!).

O ator Hugh Jackman dança e canta no filme. Graças a uma edição muito bem feita ficamos com a impressão de que ele é um bom dançarino. Só que não se engane, é tudo mesmo fruto apenas da edição que corta a cena em tantas partes que você já não consegue acompanhar direito o que está acontecendo. As músicas da trilha sonora até são agradáveis, porém é aquele tipo de material que você já sabe que não vai longe. São canções bonitas e descartáveis. Nada memoráveis. Algumas fazem uma força incrível para se tornarem hits nas rádios. Tudo em vão. O filme tem ido bem de bilheteria e é um dos fortes candidatos aos prêmios de cinema que estão vindo por ai. Vamos ver se o favoritismo se confirma. Então é isso. "O Rei do Show" é um bom filme que por acaso é um também um musical, sem muita preocupação com o P.T. Barnum histórico. Por mais falhas que tenha, pelo menos diverte por uma hora e meia, sem fazer muito esforço.

O Rei do Show (The Greatest Showman, Estados Unidos, 2017) Direção: Michael Gracey / Roteiro: Jenny Bicks, Bill Condon / Elenco: Hugh Jackman, Michelle Williams, Zac Efron, Rebecca Ferguson / Sinopse: Em ritmo de musical o filme conta a história do empresário circense P.T. Barnum (Hugh Jackman). Após perder o emprego ele resolve comprar um museu falido em Nova Iorque. Em pouco tempo resolve transformar o lugar em um circo de aberrações, com pessoas bem diferentes. Acusado de explorar a desgraça alheia, Barnum se torna um homem rico, usando seu dinheiro para contratar a cantora Jenny Lind (Rebecca Ferguson) para uma série de concertos ao vivo por todo o país. Filme vencedor do Globo de Ouro na categoria de Melhor Canção Original ("This is Me" de Benj Pasek e Justin Paul). Também indicado nas categorias de Melhor Filme - Comédia ou Musical e Melhor Ator - Comédia ou Musical (Hugh Jackman).

Pablo Aluísio.

sábado, 6 de janeiro de 2018

Tempestade: Planeta em Fúria

Qual é o filme mais cheio de clichês de 2017? Olha, ninguém vai conseguir tirar esse título de "Tempestade: Planeta em Fúria"! O mais estranho de tudo é que o filme até começa bem para depois afundar como o Titanic. O enredo é meio bobinho. Há um sistema mundial de controle do clima. Uma rede de satélites orbita ao redor do planeta justamente para controlar as tempestades, chuvas, temperaturas, etc. OK, tudo bem tolinho, mas tudo bem, até comprei a ideia no começo. Pois bem, algo assim caindo nas mãos erradas poderia causar o caos! E é justamente isso que ocorre quando um vírus implantado entra no sistema dos satélites, causando todos os tipos de destruição.

Claro que com o clima fora de controle todos se ferram! Nem os cariocas escapam. Numa cena de humor involuntário os banhistas brasileiros estão numa boa, curtindo um dia de sol numa das praias do Rio de Janeiro, quando de repente as ondas do mar congelam e começam a transformar todas as pessoas em estátuas de gelo! Isso mesmo, todo mundo congelado em uma praia do Rio, em pleno domingo de sol!!!... Bom, muita gente vai desistir do filme por aqui... mas eu até que disse para mim mesmo: "OK, vou aceitar mais essa bobagem do tamanho do Cristo Redentor". Percebam que eu estava em um dia bom, com muita paciência. As coisas só se tornam insuportáveis mesmo quando o Presidente dos Estados Unidos (pois é, os americanos são bobos demais), surge no horizonte para salvar o país... ai, ai, ai... é muito ufanismo para aguentar, vou te contar...

O ator principal do filme é o Gerard Butler. Ele é o cientista que projetou tudo. Quando o sistema vira uma arma contra a humanidade ele decide fazer de tudo para salvar a todos. É um personagem sem graça, que fala meia dúzia de termos técnicos (que não significam nada no final das contas) e dá uma de herói no final. Tudo é muito infantilizado nesse filme. Poderiam até fazer uma coisa legal com a ideia inicial, mas preferiram mesmo colocar uma tonelada de clichês nesse bolo cinematográfico indigesto! Tem espaço até para a criancinha tentando salvar seu cachorrinho enquanto sua cidade é invadida por uma dezena de tornados...  Convenhamos, é muita falta de originalidade e criatividade! Em outra cena, para ser o mais politicamente correto possível, um astronauta (que acaba salvando todo mundo) faz questão de lembrar para todos que é mexicano! Tive que dar risada! A sutileza para criticar Trump passou longe aqui... E as bobagens não param por aí, coisa pior vem na frente. Tem até uma equipe multicultural, com muitas mulheres latinas e negras, para não pegar mal com a turma da lacração. Enfim, um filme amorfo, totalmente sem sal. Uma perda de tempo sem salvação.

Tempestade: Planeta em Fúria (Geostorm, Estados Unidos, 2017) Direção: Dean Devlin / Roteiro: Dean Devlin, Paul Guyot / Elenco: Gerard Butler, Ed Harris, Andy Garcia, Jim Sturgess, Abbie Cornish, Alexandra Maria Lara / Sinopse: Cientista americano que criou um projeto de controle do clima no planeta precisa salvar a humanidade depois que o sistema é invadido, causando caos e destruição nas principais cidades ao redor do mundo.

Pablo Aluísio e Erick Steve.