domingo, 9 de julho de 2017

A Jovem Rainha

Esse filme traz uma versão romanceada da vida da Rainha Kristina da Suécia. Durante a guerra dos trinta anos no século XVII seu pai, o Rei Gustaf, é morto em campo de batalha. Kristina assim se torna sua sucessora, mas era jovem demais para assumir o trono. Quando finalmente se torna monarca ela propõe uma série de reformas em seu país. Em sua opinião a Suécia não passava de uma nação gelada, isolada, povoada por pessoas ignorantes e sem cultura. Uma grande reforma educacional era assim necessária.

Amante dos livros e da cultura, as propostas de Kristina iam contra os valores dos líderes protestantes que dominavam seu reinado. Outro ponto de choque contra esses religiosos era o fato de que Kristina queria assinar um tratado de paz com os reinos católicos, um dos principais motivos da guerra. Obviamente os luteranos queriam a guerra e fizeram de tudo para destronar a Rainha que queria a paz, acima de tudo.

Talvez por sofrer tanta repressão e oposição dos protestantes em seu reinado, Kristina aos poucos foi se aproximando dos católicos, absorvendo sua doutrina e o mais escandaloso de tudo: se convertendo ao catolicismo! Naquele período histórico os grandes pintores, escritores, escultores e artistas da Europa eram patrocinados pela Igreja Católica. Kristina, uma mulher apaixonada por arte e literatura acabou sendo atraída por Roma, para desespero de seus líderes religiosos do Luteranismo que condenavam qualquer tipo de arte sagrada, pois a considerava pura heresia! Para Kristina não poderia haver mentalidade mais obtusa e atrasada do que aquela!

O filme assim segue contando parte da vida da Rainha, inclusive lidando sem problemas com temas polêmicos, como a suposta homossexualidade de Kristina, que se recusava a casar para trazer um herdeiro ao trono da Suécia. Ao invés disso se tornava cada vez mais próxima de sua dama de companhia, uma condessa jovem a quem ela tinha verdadeira paixão. Até hoje historiadores discutem sobre a sexualidade de Kristina, mas sem chegar a uma conclusão definitiva. O roteiro do filme porém abraça sem problemas o lesbianismo da Rainha. De maneira em geral gostei muito dessa produção, pois via de regra adoro temas relacionados às grandes dinastias monárquicas da Europa. Caso esse seja também o seu caso deixo assim a recomendação desse bom filme, extremamente interessante do ponto de vista histórico.

A Jovem Rainha (The Girl King, França, Canadá, Suécia, 2015) Direção: Mika Kaurismäki / Roteiro: Michel Marc Bouchard / Elenco: Malin Buska, Sarah Gadon, Michael Nyqvist / Sinopse: O filme narra uma versão em tom de romance histórico de parte da vida da Rainha Kristina da Suécia (Malin Buska). Mulher culta e amante das artes e da ciência ela passa a sofrer uma constante e dura oposição dos líderes religiosos protestantes de sua país, que eram contra as reformas educacionais que a monarca queria implantar em sua nação. Filme indicada ao Canadian Screen Awards (Marjatta Nissinen).

Pablo Aluísio.

7 comentários:

  1. Avaliação:
    Direção: ★★★
    Elenco: ★★★
    Produção: ★★★
    Roteiro: ★★★★
    Cotação Geral: ★★★★
    Nota Geral: 8.3

    Cotações:
    ★★★★★ Excelente
    ★★★★ Muito Bom
    ★★★ Bom
    ★★ Regular
    ★ Ruim

    ResponderExcluir
  2. Pablo, como seu post acima fala de ser contra valores protestantes; você está acompanhando esse escândalo no Vaticano em que um assessor direto do Papa, obviamente um padre, foi flagrado em uma orgia entre, pasme, homens, com direito a surubas, cocaína e "otras cocitas mas".
    Meu caro, mesmo o Papa Francisco sendo um padre Jesuíta, ou seja, um padre de guerra, preparado para atuar em regiões inóspitas, não sei se ele vai vencer esses aloprados que infestam o Vaticano.
    O Bento XVI sucumbiu, e agora da pra entender os seus motivos quando ele justificou a sua espantosa renuncia a um cargo vitalício dizendo que não tinha saúde para travar a batalha que havia de vir.

    ResponderExcluir
  3. A Igreja Católica é uma organização enorme, complexa. Só de padres são 400 mil ao redor do mundo, fora as outras hierarquias e ordens religiosas. É muito difícil controlar uma máquina desse tamanho. Escândalos como esse ajudam no serviço de limpeza. O Papa Francisco tem se esforçado, mas como é muita gente, espalhada em todos o globo (tem até na Groenlândia) fica complicado limpar de alto a baixo.

    ResponderExcluir
  4. Você tem razão sobre o tamanho da coisa, mas o preocupante é que grandes escândalos estão correndo muito próximo ao próprio Papa. A pouco temo foi um mordomo que deixou "vazar" segredos da igreja. Parece coisa arrumada. Acho melhor o Papa Francisco se cuidar porque, principalmente, aqueles arcebispos americanos estão na cola dele e buscam a destruição.

    ResponderExcluir
  5. Corrigindo: ... estão ocorrendo...

    ResponderExcluir
  6. É verdade. Foi algo que ocorreu perto demais do Papa, da cúpula da Igreja. Mais munição para os conservadores, entre eles o cardeal Burke.

    ResponderExcluir