domingo, 16 de julho de 2017

The Beatles - Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band - Parte 2

É consenso praticamente geral que o álbum "Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band" é um dos maiores discos da história do rock mundial. Mesmo assim é interessante notar que o grupo e seu produtor George Martin não estavam necessariamente focados em gravar um álbum convencional do gênero que investisse em arranjos tradicionais baseados no trio de instrumentos formado por guitarras, baixo e bateria. Eles jogaram as regras e as fórmulas para o alto e inovaram completamente na sonoridade do trabalho. De certa maneira os próprios Beatles não queriam mais seguir o que a gravadora achava melhor para o grupo. Aquela velha história de ser "comercialmente viável". Os Beatles não queriam mais saber disso. Pensando assim acabaram criando uma obra prima.

Uma das canções que retratam essa ruptura é justamente essa "When I'm Sixty-Four". Mesmo assinada pela dupla Lennon e McCartney a música foi composta praticamente sozinha por Paul. Isso foi reconhecido pelo próprio John. Durante uma entrevista após o fim do grupo ele respondeu quando perguntado sobre essa faixa: "Essa foi completamente composta por Paul. Jamais sonharia em compor algo parecido". E como vinha acontecendo nas composições de McCartney para esse álbum um arranjo orquestral foi criado, tentando trazer de volta a sonoridade dos anos 20 - afinal a letra era nostálgica. George Martin escreveu também um lindo arranjo de clarinete, pois esse instrumento eram um dos mais populares do começo do século XX. Por fim, depois de tanto trabalho dentro do estúdio, se cogitou lançá-la como single, porém essa ideia foi abandonada. Ela apenas faria parte do álbum Sgt. Peppers. Como era uma música de complexa execução ela jamais foi tocada ao vivo pelo grupo, até porque eles tinham também decidido dar por encerrados os concertos na época de gravação desse disco.

Outra música que foi também uma criação exclusiva de Paul McCartney foi "Lovely Rita". De todas as faixas do álbum essa é considerada uma das mais singelas. Em um disco tão revolucionário do ponto de vista musical e em termos de letras, essa canção é surpreendentemente convencional e pueril. A sonoridade é bem simples e sua letra evoca a figura de uma guarda de trânsito chamada Rita! A letra, em primeiro pessoa, narra essa singela estorinha de amor de alguém que acaba se encantando pela policial. Esse tipo de composição, tão tipicamente selada com o rótulo "McCartney", iria virar alvo de Lennon após o fim dos Beatles. John estaria sempre se irritando com essas baladas românticas escritas por Paul. Para John era um retrocesso, uma perda de tempo.

Talvez para fugir desse tipo de banalidade, John Lennon tenha surgido no estúdio com "Good Morning Good Morning". Sob uma fachada também banal, contando com um momento cotidiano na vida de qualquer um (o acordar pela manhã, o café antes de ir para a escola ou o trabalho, etc), John critica o consumismo e a banalização dos comerciais de TV. Seu alvo era certeiro, pois a canção era praticamente uma sátira aos comerciais televisivos da indústria de cereais Kellogg 's, da marca Corn Flakes. Inclusive durante os anos 70 John iria rasgar o verbo contra o que ele chamava de "indústria do açúcar" que viciava as crianças no consumo de produtos com excesso de açúcar, destruindo a saúde de todos lentamente, ao longo dos anos. Com a explosão dos casos de diabetes que vemos hoje em dia, podemos perceber que ele não estava longe da verdade em sua visão. Coisas de John Lennon, enfim.

Pablo Aluísio.

6 comentários:

  1. The Beatles - Sgt. Pepper's Lonely Hearts Club Band - Parte 2
    Pablo Aluísio
    Todos os direitos reservados.

    ResponderExcluir
  2. Pablo, um lamento e uma pergunta:

    - " Aquela velha história de ser "comercialmente viável". Ah se hoje houvesse artista arrojado e desprendido assim, estaríamos muito bem!

    "indústria de cereais Kellogg 's, da marca Corn Flakes" Não seria Corn Flakes da marca kellogg?

    ResponderExcluir
  3. Sim,a marca Corn Flakes das indústrias Kellogg´s.
    Acho que a ordem não altera muito o sentido da frase.
    E sobre o "comercialmente viável", bom, esse rótulo destruiu grande parte da criatividade da cultura musical, em nível global.

    ResponderExcluir
  4. PS: lembrando que existe uma vírgula na frase: "...uma sátira aos comerciais televisivos da indústria de cereais Kellogg 's, da marca Corn Flakes.". Essa vírgula retira a subordinação. Apenas se está especificando qual marca da Kellog´s está sendo satirizada por John.

    ResponderExcluir
  5. Ok, eu só pensei que fosse Corn Flakes (flocos de milho) da marca Kellogg's. Bobeira minha.

    ResponderExcluir
  6. Normal. A língua portuguesa é muito rica. Da riqueza vem inúmeras interpretações diferentes. O inglês, bem mais pobre, não tem esse tipo de situação. Português é uma das línguas mais belas e complexas do mundo.

    ResponderExcluir